×

I Love Typography

MADE POSSIBLE WITH THE SUPPORT OF
I Love Typography
MADE POSSIBLE WITH THE SUPPORT OF

FontBook

Recentemente recebi através do correio algo grande, amarelo e pesando 3 kg. Não, não é uma banana geneticamente modificada, mas o FontBook do FontShop, a enciclopédia do tipo. Este livro realmente deveria vir com uma advertência de saúde: o meu carteiro quase teve uma hérnia entregando-o e muito perto de torcer seu pulso tentando segurá-lo com uma mão enquanto passava-me o recibo com a outra. No entanto, com algumas 32.000 amostras de tipos, 1.760 páginas e 100.000 notas e referências cruzadas, não creio que o FontShop publicará uma versão pocket tão cedo.

Levei oFontBook tao meu café local, onde muitas vezes trabalho à noite e completos estranhos aproximaram-se (incomum no Japão); várias pessoas disseram “ookii isto desu ne!” (grande livro, hein!), enquanto outros simplesmente perguntavam-me do que se tratava o livro.

fontbook-photo1.jpg

Além da marcante capa amarela do FontShop, o conteúdo é prefaciado por uma seção ‘como usar este livro’ em Inglês e Alemão; contudo, para ser franco, você poderia ser um marciano e/ou apenas falar Zangalulob e ainda encontrar o seu caminho pelo livro sem problemas. Os tipos são organizados em oito grupos principais: Sans, Serif, Slab, Script, Display, Blackletter, Symbols, e Non-Latin.

Referências cruzadas

Minha característica favorita do livro – e isso deve ter levado anos para preparar – são as amplas referências cruzadas. Por exemplo, eu estou procurando por algo semelhante a um de meus favoritos tipos, Swift (a) de Gerard Unger. Posso ir para a seção Serif – onde todos os tipos estão organizados por ordem alfabética,… p, q, r, s,… Swift! A referência cruzada na margem interior exibe um olho-ícone (denotando tipos similares); e listados estão ITC Charter (b), Demos, Hollander e Bitsream Oranda. Um recurso muito simples e muito poderoso.

fontbook-refs.gif

De fato eu gostaria de ver este adicional desenvolvido, de modo que, por exemplo, eu estou procurando um bom sans serif para a Swift e há uma referência cruzada que aponta uma à mim. Também gostaria de ver um índice de nomes. De qualquer forma, são as referências cruzadas que fazem isso para mim, tornando o FontBook uma valiosa ferramenta para quem utiliza o tipo. Não deveria haver estúdio sem ele na sua biblioteca.

Depois de passar mais ou menos uma hora folheando através das suas páginas, o glutão que explode de Monty Python, Senhor Creosote veio à mente. Depois de consumir cerca de 20 cursos, quatro garrafas de vinho tinto e seis caixas de cerveja, o Maître D, encenado por John Cleese, recomenda “E, finalmente, monsieur, uma fina bolacha de hortelã.” Tipo glutões entre vocês simplesmente não conseguirão resistir apenas a mais uma fina bolacha de página.

Em termos absolutos, $ 99 não é barato, mas isso não é novela de brochura descartável; é uma enciclopédia de 3kg com 1.760 páginas. Em termos relativos o FontBook é mais barato do que 20 refeições do McDonald’s.

Porquê?

Os cínicos entre nós (e eu posso ser um também), podem argumentar que o FontBook é um instrumento de marketing destinado a vender mais fontes. Ele pode muito bem vender mais fontes – o FontShop não é um Samaritano. No entanto, quando se considera o tempo que foi canalizado para a elaboração este livro e os custos de produção, duvido que o FontBook seja o preço da vaca. Sugiro que ele seja apenas o produto de uma paixão pelo tipo, publicada não tanto com ganhos pecuniários em mente, mas simplesmente porque seus autores amam o tipo.

O FontBook é para o tipo aquilo que a casa de chocolate é para os chocólatras.

Provavelmente vale a pena roubar um banco por este livro (sem violência, claro). No entanto, se você for capturado e, independentemente do que você faça, não mencione este artigo e reze para que Erik Spiekermann esteja no júri. Se você não ouvir falar de mim por um tempo, então é porque Mafia Maurice e Billy the Bruiser não deixaram-me usar a ‘Internet’ na Cela do Bloco H – até que eu execute favores de uma natureza inteiramente não relacionada com o tipo. Acho que só então eu vou apreciar o fato de que o FontBook pese 3 kg. Enfim, vamos esperar que eu seja encarregado da biblioteca da prisão.

Chegando…

Tipografia de prisão.

E há um prêmio se você puder dizer-me quais os três tipos que eu usei no cabeçalho “i” (1) “love” (2) “typography” (3). Uma correcta entrada será selecionada aleatoriamente e anunciada nesta semana no Sunday Type. O vencedor receberá uma cópia dotypography today de Helmut Schmid.

Leitura futura:
One Book to Specify Them All. Khoi Vinh of Subtraction entrevista Stephen Coles do FontShop.
FontBook on FontShop, com amostras de páginas em PDF.
FontBook–o filme.